Quinta-feira, 1 de Novembro de 2007
NÃO ERA DE ESTRANHAR? TANTA FARTURA
AH, Puis Dei ! O peso insustentável de se ser Filipe Vasconcelos Jardim Gonçalves Era uma vez uma sociedade de «off-shore» sediada em Gibraltar . : Crystal Waters era o seu nome e Filipe Jardim Gonçalves o seu sócio principal. A Crystal Waters detinha a Passo a Passo, que por sua vez também controlava a Vasconcelos & Vasconcelos (SPRINT). Filipe Jardim Gonçalves é filho de Jorge Jardim Gonçalves , irmão de Rodrigo Jardim Gonçalves e primo de Francisco Miguel Vasconcelos Pereira. Para expandir e desenvolver os negócios, Filipe Jardim Gonçalves contraiu diversos empréstimos junto de uma instituição bancária que lhe era familiar: o BCP. Filipe tinha um homem em quem confiava: Tiago André Tico Coelho, gestor de várias empresas e sociedades em que Filipe participava. De algumas empresas, Tiago chegou mesmo a ser sócio. Um dia, quando tudo começou a correr mal e as dívidas acumuladas eram já mais que muitas, a conta corrente de Tiago, entretanto caucionada, foi alvo de procedimento jurídico por parte da instituição BCP. A família está para o que der e vier, já sabemos. Contudo... Eis que Filipe, preocupado, procura um escritório de gente da sua confiança: o AM&JG. Para seu advogado escolhe José António Alves Mendes, membro supranumerário do Opus Dei. Ora, o seu sócio é Rodrigo. Rodrigo quê? Rodrigo Jardim Gonçalves, seu irmão. Sim, é isso que está a pensar, leitor: a sociedade de advogados do seu irmão irá defendê-lo numa questão relacionada com o banco do seu pai. Alípio Dias e Filipe Pinhal, à data dos acontecimentos (finais de 2004), membro do conselho de Administração e vice-presidente do BCP, respectivamente, sentaram-se à mesa de negociações com Alves Mendes. Verificando que se tratava de gente que não tinha onde cair morta o Departamento Jurídico, na pessoa do seu Director, Carlos Picoito (membro supranumerário do Opus Dei), propôs que as dividas contraídas por aquelas sociedades fossem declaradas créditos incobráveis. A decisão tomada pela Direcção do BCP foi favorável à proposta de Carlos Picoito. Pouco tempo depois, Jorge Jardim Gonçalves deixou o cargo que ocupava no Banco. O que declarou Jorge Jardim Gonçalves sobre o assunto? "Não sei de nada, as questões com clientes não passaram por mim."


publicado por CASTELO às 08:16
link do post | PODE COMENTAR AQUI | favorito
|  O que é?

Fazer olhinhos
OBEMEOMAL
PROCURE AQUI
 
ULTIMAS NOVIDADES

FELIZ ANO NOVO 2013

UMA PRENDA NO SAPATINHO ...

A FORÇA DO VOTO EM ( ...

PAÍS AMALDICOADO

PORTUGAL A DUAS MARCHAS

...

AJUDE CONTRIBUA PARA UMA ...

AJUDE NÃO DOI NADA

SABÃO AZUL E BRANCO A VER...

CÁI A TESE DA CASA DE E...

TUDO ISTO AQUI É MEU

Dezembro 2012

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds